18.6 C
Ponta Grossa
quinta-feira, julho 18, 2024

Estudantes de PG relatam importância da distribuição gratuita de absorvente íntimo

Aprovada pelo Senado em setembro, o projeto pretendia ajudar estudantes da rede pública, mulheres de baixa renda, pessoas em situação de rua ou de extrema vulnerabilidade.

Ponta Grossa
céu limpo
16.7 ° C
16.7 °
16.7 °
78 %
0.7kmh
0 %
qui
21 °
sex
22 °
sáb
22 °
dom
22 °
seg
23 °

Colunas

Escrito por

Após presidente Jair Bolsonaro (sem partido) revogar duas propostas que integravam o projeto ‘Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual’, negando a de distribuição gratuita de absorventes femininos para uma parcela da população e a inclusão de absorventes em cestas básicas distribuídas pelo Sisan (Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional), cerca de 5,6 milhões de mulheres acabaram prejudicadas.

Para a estudante de jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Maria Helena Denck Almeida, a rede pública de ensino tem uma falta grande em artigos de higiene básica e a situação piora para os estudantes que não possuem acesso a itens de higiene menstrual. “Muitas meninas utilizam panos, papel higiênico ou vão sujas, porque não tem como controlar, então isso acaba prejudicando elas de várias maneiras”, explica Maria Helena.

Continue lendo depois da publicidade:

Para a diretora da União Paranaense Dos Estudantes (UPE), Quiara Camargo Dos Santos, vê a decisão de Bolsonaro como problemática. “É preciso olhar para as pessoas que menstruam, enxergar essa realidade. Existe essa visão de que pessoas com útero podem deixar de frequentar a escola”, aponta a diretora.

Segundo Bolsonaro, os absorventes não constam na lista de medicamentos essenciais e por ser algo destinado a um público específico, não atenderia à questão da universalidade de acesso. 

Dados nacionais

No Brasil, 1 em cada 4 meninas já faltou à escola por falta de condições para comprar os produtos de higiene básica, segundo o levantamento realizado pela Unicef em conjunto com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Esse estudo levou em conta o relato de 1.124 mulheres, na faixa etária dos 16 aos 29 anos.

O levantamento também revelou que 50% das mulheres entrevistadas, já tiveram que usar papel higiênico no lugar dos absorventes, o que pode causar infecções e até lesões.

- Anúncio -

MAIS LIDAS NO JC

Pode chamar sua atenção! leia:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Direitos Autorais

.