19.8 C
Ponta Grossa
quarta-feira, julho 17, 2024

Japão e o sistema de estupro da 2ª Guerra Mundial

Ponta Grossa
céu limpo
19.8 ° C
19.8 °
19.8 °
63 %
2.6kmh
0 %
qua
21 °
qui
22 °
sex
22 °
sáb
23 °
dom
23 °

Colunas

Escrito por

72 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, mulheres orientais ainda sofrem os impactos do sistema “mulheres de conforto” que eram mulheres obrigadas a se prostituir.

O sistema era patrocinado pelo Estado do Japão e usado para prazer dos soldados que lutavam na Segunda Guerra Mundial. As mulheres e até meninas eram traficadas até países e territórios ocupados antes e durante a 2ª Guerra Mundial e estupradas por soldados.

O estado chegou a traficar de 100 e 200 mil mulheres que eram sequestradas ou enganadas. O Japão nunca confirmou oficialmente a informação, nem mesmo assumiu responsabilidade sobre o “Sistema de Conforto”. Apenas décadas após o fim da guerra alguns historiadores encontraram documentos nacionais que comprovaram a ação e responsabilidade do país, o que fez com que o Japão emitisse um pedido de desculpas em 2015.

Continue lendo depois da publicidade:

AS “MULHERES DE CONFORTO” NO JAPÃO E REPERCUSSÃO

O professor e pesquisador Yoshiaki Yoshimi é um dos responsáveis por levar grande parte das informações a público e explica o motivo do governo japonês estabelecer o sistema: “o Exército Imperial Japonês temia que o descontentamento latente dos soldados pudesse explodir em motim e revolta. Era por isso que forneciam mulheres”.

Com o passar do tempo, o Japão também estabeleceu “pontos de conforto” nos territórios que dominava para servirem como uma espécie de bordel e eram administrados por particulares e supervisionados pelo Exército Imperial Japonês.

Em janeiro de 2021 o governo de Seul, na Coreia do Sul, determinou que o Japão indenizasse 12 mulheres submetidas à escravidão sexual nos bordéis do Exército imperial durante a Segunda Guerra Mundial, a decisão vem de encontro a medida tomada em 2015, que determinou que o Japão criasse um fundo de ajuda as mulheres escravizadas, hoje já idosas.

Como informou a Coreia do Sul, os 7,5 milhões de euros não foram suficientes para compensar as vítimas escravizadas, as “mulheres de conforto”, estupradas entre 1910 e 1945. Das 200 mil mulheres escravizadas, apenas 46 estão vivas e moram na Coreia do Sul. A informação não foi bem recebida pelo governo japonês, que disse que qualquer mudança no acordo é inaceitável e pode atrapalhar a relação entre os dois países.


Por Heryvelton Martins (Repórter Verificado) e revisado por Equipe Geral

- Anúncio -

MAIS LIDAS NO JC

Pode chamar sua atenção! leia:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Direitos Autorais

.